Começou nesta segunda-feira a retirada dos objetos deixados por casais.
Peso dos cadeados românticos pode ameaçar estrutura da Pont des Arts.

Trabalhadores de Paris começaram nesta segunda-feira (1°) a retirar centenas de milhares de cadeados colocados por casais na ponte “Pont des Arts”, com medo de que o peso dos símbolos românticos estivesse deixando a estrutura do século 19 em situação de risco.

A ponte de pedestres se tornou um santuário para casais apaixonados (turistas e também parisienses) que procuram imortalizar seu amor deixando um cadeado com suas iniciais preso às suas grades metálica de proteção.

Um trabalhador remove os 'cadeados do amor' da Pont des Arts em Paris, na França. O ritual começou com turistas em 2008 e logo se espalhou para cidades como Nova York, Seul e Londres. Cerca de 1 milhão de cadeados pesando 45 toneladas serão removidos (Foto: Stephane De Sakutin/AFP)

Um trabalhador remove os ‘cadeados do amor’ da Pont des Arts em Paris, na França. O ritual começou com turistas em 2008 e logo se espalhou para cidades como Nova York, Seul e Londres. Cerca de 1 milhão de cadeados pesando 45 toneladas serão removidos (Foto: Stephane De Sakutin/AFP)

 

“É o fim dos cadeados”, disse o vice-prefeito de Paris, Bruno Julliard, em comunicado. “Eles estragam a estética da ponte, são estruturalmente ruins para ela e podem provocar acidentes”, acrescentou, observando que pelo menos uma parte da grade já havia entrado em colapso por causa do peso, representando um risco potencial para a navegação no rio Sena.

Um trabalhador remove os 'cadeados do amor' da Pont des Arts em Paris, na França. O ritual começou com turistas em 2008 e logo se espalhou para cidades como Nova York, Seul e Londres. Cerca de 1 milhão de cadeados pesando 45 toneladas serão removidos (Foto: Stephane De Sakutin/AFP)

Um trabalhador remove os ‘cadeados do amor’ da Pont des Arts em Paris, na França. O ritual começou com turistas em 2008 e logo se espalhou para cidades como Nova York, Seul e Londres. Cerca de 1 milhão de cadeados pesando 45 toneladas serão removidos (Foto: Stephane De Sakutin/AFP)

 

Julliard afirmou que as grades seriam inicialmente substituídas por painéis cobertos de arte de rua e ainda neste ano por uma proteção de acrílico.

Um casal de turistas de Washington, nos EUA, foi até o local sem saber da proibição de colocar cadeados.

“Nós viemos com a ideia de colocar um cadeado, mas descobrimos que está fechado e agora é ilegal, por isso nós vamos prendê-lo aqui no final da ponte para que ninguém possa ver”, disse Cathy Hominage à Reuters TV.

 

 

fonte: www.g1.com.br